Diagnóstico Final

Criptococose


Nos cortes histológicos foram identificadas estruturas ovóides e em meia-lua apresentando cápsula de mucina, em meio a material mucinoso.

Discussão

O Cryptococcus neoformans está presente no solo e em fezes de aves (particularmente pombos) infecta pessoas quando inalado. Diversos fatores de virulência permitem que ele escape das defesas do hospedeiro, incluindo a cápsula polissacarídica. Mucicarmim cora o material mucopolissacarídico capsular e diferencia o Cryptococcus de outros fungos similares em tamanho e forma. A impregnação pela prata de Grocott destaca a parede celular do fungo em preto. O PAS cora fortemente a parede celular do fungo.

Referências

1. Criptococose pulmonar - Achado incidental em autópsia. Colorações especiais. Site didático de Anatomia Patológica, Neuropatologia e Neuroimagem. 2. Gazzoni, A. F.; Pegas, K. L.; Severo, L. C. Técnicas histopatológicas no diagnóstico de criptococose por Cryptococcus deficiente de cápsula: relato de caso. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.41 no.1 Uberaba Jan./Feb. 2008 3. Robbins, S. L.; Cotran, R. S.; Kumar, V.; Shoen, F.J. Patologia Estrutural e Funcional. 5 ed. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro, 1996.


4. Robbins, S. L.; Cotran, R. S.; Kumar, V. Patologia - Bases Patológicas das Doenças - Saunders/Elsevier 2010.